Crase



Hoje, no Blog do Gramaticando, nós vamos falar sobre a tal da crase, um assunto bem interessante e legal. Você não acha? (por favor, diga "sim" para eu não ficar sem graça)

A crase não tem nada de misterioso (já existem coisas misteriosas demais por aí). Ela nada mais é do que a união de um "A" com outro "A". Agora, vou explicar como isso acontece.




ENTENDENDO O CONCEITO DA CRASE (DE VERDADE)

Observe a seguinte frase: "vou ao museu".

AO é o encontro da preposição A (exigida pelo verbo "ir") com o artigo O (vou a + o museu). Eu não posso escrever "vou o museu" (porque a preposição "a" é exigida pelo verbo), não posso dizer "vou a museu" (porque faltou o artigo "o" na frente de museu) e nem posso dizer "vou museu", muito menos "vou a o museu". Nesse caso, a preposição "a" se junta com a preposição "o" e essa mistura é a coisa mais normal que existe... Isso acontece o tempo todo: as preposições adoram sair se agarrando por aí como algumas pessoas que eu conheço.

Veja outros exemplos de misturas: DO (de + o), NO (em + o), NAQUELE (em + aquele), DESSE (de + esse).


Agora que você entendeu isso ficará mais simples entender a lógica da crase. Afinal, a crase nada mais é do que a "versão feminina" do AO. Enquanto que AO é "A + O", a crase é "A + A" (união de duas vogais iguais). Na Língua Portuguesa, a união de duas letras iguais só acontece com a vogal A.

Ou seja:

Masculino: vou ao colégio (vou a + o colégio)
Feminino: vou aa escola (vou a + a escola)... mas nós representamos "aa" por "à" (crase)


Observação: a crase não é o nome do acento, mas sim é o nome que se dá à união de duas vogais "a". O acento que é usado na crase é chamado de "acento grave".


REGRAS PARA USAR A CRASE

Regra da Troca

Se a crase funciona como a versão feminina do AO, então nós descobrimos se usamos a crase ou não caso a versão masculina da mesma sentença usar AO. 

Por exemplo: será que existe crase em ELE DEU UM COELHO A MENINA

Se existir crase nesse exemplo, então deve existir AO na versão masculina desse exemplo, já que a crase é a versão feminina do AO, representando o AA.

Vamos, então, trocar a palavra "menina" por alguma palavra masculina para verificar se AO aparece. Se ele aparecer, então isso significa que a crase existe na versão feminina. 

Troca: ELE DEU UM COELHO AO MENINO

Bem, no mundo masculino nós escrevemos AO MENINO. Ou seja: no mundo masculino o AO apareceu. Então, no mundo feminino nós devemos escrever À MENINA (com crase). A crase é a versão feminina do AO no mundo feminino.

Masculino: Deu um coelho ao menino.
Feminino: Deu um coelho à menina

Importante: será que devemos usar a crase em DEU UM COELHO A ELA

Esse exemplo parece idêntico ao anterior. Porém, tome cuidado: a troca da palavra feminina por uma masculina deve ser coerente. Você não pode sair trocando as palavras de qualquer jeito. Então, sempre procure fazer a troca com palavras de mesma classe gramatical. No exemplo anterior, nós trocamos "criança" por "pirralho", que são dois substantivos. Agora, vamos trocar "ela" exclusivamente por "ele", pois as duas palavras são pronomes. 

Troca: DEU UM COELHO A ELE.

Opa! No mundo masculino não apareceu o AO. Logo, no mundo feminino não vai aparecer a crase

Ou seja: nós devemos dizer DEU UM COELHO A ELA  (sem crase). Essa letra A é a preposição, que ficou sozinha, já que não existe nenhum artigo A definindo a palavra "ela" para se juntar com a preposição. Em termos práticos, é isso que a regra faz. 

Masculino: Deu um coelho a ele.
Feminino: Deu um coelho a ela.


O simpático coelho que o menino ganhou do Papai Noel.
Regra do "Vai e Volta"

Ao usarmos verbos que expressam movimento, nós devemos usar a regra do Vai e Volta para descobrirmos se devemos usar a crase ou não. Usaremos a crase só se pudermos dizer VOLTO DA + LUGAR (devemos usar DA). 

Exemplos: 

Devemos usar crase em VOU À BAHIA porque dizemos "volto DA Bahia". 

Não devemos usar crase em VOU A MARTE porque dizemos "volto DE Marte". Ou seja: não usamos VOLTO DA, então não usamos crase. 

QUANDO A CRASE É OBRIGATÓRIA?

A crase é obrigatória na indicação de horários. Exemplo: "a reunião ocorrerá às 18 horas". 

A crase também é obrigatória em expressões do tipo: à direita, às vezes, às terças, à tarde, à toa e por aí vai. Ou seja: usamos crase antes de locuções prepositivasadverbiais ou conjuntivas. A locução nada mais é do que duas ou mais palavras que funcionam como uma palavra (as prepositivas funcionam como preposição, as adverbiais como advérbio e as conjuntivas como conjunção). 

Se você não sabe direito o que é conjunção, advérbio e os outros tipos de palavras, veja aqui os nossos roteiros de estudo gratuitos e dê uma desenferrujada em Classes Gramaticais

QUANDO A CRASE É PROIBIDA?

Logicamente, só podemos usar a crase nas palavras onde nós podemos colocar o artigo A na frente. Ou seja: nas palavras femininas. Portanto, não usamos crase antes de palavras masculinas nem antes de verbos. Além disso, também não podemos usar a crase no meio de palavras repetidas (como por exemplo: dia a dia).

QUANDO A CRASE É FACULTATIVA?

A crase é facultativa (ou seja: você pode usar se quiser, se não quiser não precisa) antes da preposição ATÉ (com o sentido de "limite") e também antes de nomes próprios femininos (nomes de mulher). A crase também é facultativa antes de pronomes possessivos femininos (exemplo: entregue a sua irmã ou entregue à sua irmã). 

A CRASE E OS PRONOMES

Existem alguns pronomes que começam com a letra A e eles podem se juntar com a preposição A, formando a crase. É o caso dos pronomes demonstrativos (aquele, aquela, aquilo, aqueles, aquelas) e relativos (a qual, as quais).

Nesses casos, já existe um A (que está iniciando o pronome). Então, basta um outro A como preposição para criar a crase. Logo, usaremos crase nas preposições caso o verbo exija a preposição A.

Exemplo: Devemos usar crase em "eu irei àquela festa" porque o verbo "ir" exige a preposição A, que acaba, naturalmente, se unindo à primeira letra do pronome "aquela" (eu irei a + aquela festa).

TERRA e CASA

Existem algumas frescuras que você deve gravar, como os casos clássicos de terra e de casa. Só usamos crase com essas palavras caso elas estejam acompanhadas por alguma outra palavra ou expressão que dê outro sentido a elas. Por que isso? Resposta: frescura ou falta do que fazer. Pronto, falei.

Exemplo: não usamos crase em "cheguei a casa", mas usamos crase em "cheguei à casa verde" (porque "casa" está acompanhada de "verde"). Além disso, gostaria de relembrar que é errado dizer "cheguei em casa" porque o verbo "chegar" exige a preposição "a" e não a preposição "em".

Outro Exemplo: não usamos crase em "os marinheiros voltaram a terra", mas devemos usar crase em "cheguei à terra natal dos pinguins camaradas" (porque "terra" está acompanhada de "natal dos pinguins camaradas"). 


17 comentários:

  1. gostei do seu jeito de explicar

    ResponderExcluir
  2. Adorei a explicação!
    Aproveitando, encontrei a frase abaixo em vários sites com crase. Há ou não a crase?
    "PRINCÍPIOS BÁSICOS DE PREVENÇÃO E COMBATE À INCÊNDIO"
    Aguardo resposta.
    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não usamos crase porque "incêndio" é uma palavra masculina ("o incêndio", "um incêndio"). Portanto, devemos dizer "combate a incêndio" sem crase (e essa preposição "a" veio da regência nominal da palavra "combate"), ou então, se quisermos usar artigos, podemos dizer "combate ao incêndio" (determinado) ou "combate a um incêndio" (indeterminado).

      Excluir
    2. Usaríamos crase se a palavra fosse feminina, como por exemplo: "combate à dengue", "combate à corrupção", etc.

      Excluir
    3. mas corrupção não é palavra masculina?

      Excluir
    4. Corrupção é uma palavra feminina (substantivo feminino). Nós falamos "devemos lutar contra a corrupção" em vez de "lutar contra o corrupção".

      Excluir
  3. na frase: visando a realização de um projeto. existe? acho que não mas fiquei na dúvida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso, o verbo "visar" é transitivo indireto (ele exige a preposição "a"). Então, ficamos com: "visando a + a pesquisa". Portanto, devemos usar crase ("visando à pesquisa"). Se usássemos uma palavra masculina, o artigo "a" (de "a pesquisa") se transforma em "o", formando "ao" com a preposição "a". Exemplo: "visando a + o cargo = visando ao cargo".

      Excluir
  4. Excelente modo de explicar, Peter Ensi! As aulas no ensino médio deveriam ser nesse formato, pois atrairia os alunos. Só achei que faltou uns exercícios no final do tema.

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigado pelo seu feedback. No momento eu estou criando as listas de exercícios do roteiro sobre Análise Sintática, mas logo depois o conteúdo sobre Crase será reformulado e ganhará exercícios. Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. PARABÉNS PELO SEU BLOG, ADOREI A SUMA MANEIRA DE EXPLICAR.

    ResponderExcluir
  7. Excelente explicação.... clara e objetiva. Obrigada!!!

    ResponderExcluir
  8. Finalmente encontrei alguém que explique o português de forma clara. Obrigada!

    ResponderExcluir