Plantão Redação #1



Estamos começando hoje a série "Plantão Redação". Eu, com a ajuda de Zucrineia Zuares Zuares, iremos analisar, dissecar, corrigir e revirar a sua redação. Envie o seu texto para vinicfig@hotmail.com (no corpo do e-mail, sem arquivos em anexo) e, dependendo da demanda, iremos publicar o resultado no Blog do Gramaticando, além de retornar para o seu e-mail. A ideia é criar um banco de redações corrigidas para ajudar os internautas a aprimorarem a sua escrita. 

Vamos para a nossa primeira redação:

Titulo: Energia limpa

 Desde a revolução industrial começamos a gerar energia com o poder dos combustiveis fósseis e minerais, a tecnologia vem avançando a passos largos entretanto nossas bases para obtenção de energia ainda são em sua maioria as mesmas desde aquela época.
  Nossas principais matrizes energéticas são: o petróleo e o carvão mineral,o primeiro é combustível fóssil oriundo da decomposição de seres pré-historicos, muito eficiente mas sua utilização libera gases que contribuem com o efeito estufa e por ser de origem fóssil acabará.
  O carvão como qualquer outro mineral é finito e sua utilização é extremamente danosa para agravar o efeito estufa, países com a China utilizam o como principal fonte de obtenção energética, seu baixo custo de retirada é o maior atrativo para sua utilização.  
  Devemos nos adiantar à necessidade de mudança na obtenção de energia antes de precisarmos faze-la por esgotamento das mesmas.Tem-se um horizonte rico de possibilidades nas chamadas energias renováveis -que tem uma fonte duradoura-, como a eólica, solar, bio-combustíveis, hidroelétrica e outras. Essas fontes ao contrário das supracitadas agridem menos o planeta e são, ao longo prazo, uma opção mais sustentável de suprimento da crescente necessidade energética do mundo.

Vamos para a introdução:

 Desde a revolução industrial começamos a gerar energia com o poder dos combustiveis fósseis e minerais, a tecnologia vem avançando a passos largos entretanto nossas bases para obtenção de energia ainda são em sua maioria as mesmas desde aquela época.

A ideia da introdução está ótima, pois você começa contextualizando e emitindo informações. Porém, temos alguns probleminhas. Vejamos:

1) “Passos largos” – essa expressão é uma expressão idiomática, ou seja: um clichê. Você não pode usar esse tipo de expressão em sua redação. Um macete: essas expressões geralmente não podem ser levadas “ao pé da letra”. A tecnologia não tem “pé” para dar “passos largos”. O que você quis dizer é que ela tem avançado rapidamente, por exemplo. Portanto, nada de clichês, ok? Outros clichês: “foi a gota d’agua”, “abrir seu coração”, “correr atrás do prejuízo”, etc...

2) Um problema comum que encontro em redações é o período único. Você escrever a sua introdução com um único período, ou seja: usou apenas um ponto final. Isso não pode acontecer. Você precisa de, pelo menos, dois períodos, ok? Então poderíamos escrever assim:

 Desde a revolução industrial, o mundo começou a gerar energia com o poder dos combustíveis fósseis e minerais e a tecnologia avançou rapidamente. Entretanto, as bases para obtenção de energia ainda são, em sua maioria, as mesmas desde aquela época.

3) Observe que eu troquei “começamos” por “o mundo começou”. Na redação, devemos ser impessoais. Isso significa que não podemos usar o “eu” ou o “nós” (primeira pessoa do singular e do plural), blz?

4) Eu troquei “vem avançando” por “avançou”. Isso se deve porque na redação ou até mesmo em texto literário nós devemos manter os verbos no mesmo tempo e no mesmo modo. Não posso começar a redação com verbos conjugados no pretérito, depois mudar para o presente e etc... Para concordar com “o mundo começou”, devemos dizer “a tecnologia avançou”, mantendo o mesmo tempo da conjugação. Isso vale para todos os verbos de seu texto.

5) Observe esse exemplo: “Joãozinho comeu batata com limão na semana passada” (não me pergunte da onde eu tirei esse exemplo porque eu também não sei). Veja que os termos da oração estão na ordem correta. Se eu misturar essa ordem, eu preciso usar a vírgula para indicar essa mudança. É tipo isso: “veja! Eu sou a vírgula! Estou indicando que alguém trocou de lugar nessa oração”. Logo, a oração fica assim: “Na semana passada, Joãozinho comeu batata com limão”.

Portanto, devemos usar a vírgula depois de “Desde a Revolução Industrial”, ok? Afinal, a ordem correta é: “o mundo começou a gerar energia ... desde a Revolução Industrial”. Como eu trouxe o termo para frente, preciso colocar a vírgula para indicar esse movimento: “Desde a Revolução Industrial, o mundo blá-blá-blá...”

6) Também devemos usar a vírgula após expressões do tipo “entretanto”, “contudo”, porém”, etc... (são conjunções). Logo, devemos usar a vírgula depois de “entretanto”. Com essas mudanças, a versão final de nossa introdução é essa:

 Desde a Revolução Industrial, o mundo começou a gerar energia com o poder dos combustíveis fósseis e minerais e a tecnologia avançou rapidamente. Entretanto, as bases para obtenção de energia ainda são, em sua maioria, as mesmas desde aquela época.

Note que você repetiu a palavra “energia”. As duas palavras estão muito perto e essa repetição seria observada por seu avaliador. Você poderia dizer algo do tipo: “entretanto, as bases para a obtenção energética” (ficou feio), ou “entretanto, as matrizes energéticas são as mesmas desde aquela época” (ficou melhor).
Ah, antes que eu me esqueça: Revolução Industrial, Revolução Francesa, Segunda Guerra, Queda da Bastilha... letras maiúsculas, ok? São títulos de fatos históricos. É como se fosse o nome de alguém.

Vamos para o segundo parágrafo:

  Nossas principais matrizes energéticas são: o petróleo e o carvão mineral,o primeiro é combustível fóssil oriundo da decomposição de seres pré-historicos, muito eficiente mas sua utilização libera gases que contribuem com o efeito estufa e por ser de origem fóssil acabará.

Novamente, observo aqui que o parágrafo tem um único período. Isso destrói o seu texto. O parágrafo de desenvolvimento deve ter, pelo menos, três períodos (sendo que o primeiro, chamado de... bem esqueci o nome, acho que é tópico frasal, é curto e expõe logo o seu argumento).

Logo, poderíamos escrever assim:

As principais matrizes energéticas são: o petróleo e o carvão mineral. O primeiro é combustível fóssil oriundo da decomposição de seres pré-históricos, muito eficiente. Porém, sua utilização libera gases que contribuem com o efeito estufa. Além disso, por ser de origem fóssil acabará.

1) Veja que eu troquei o “nossas principais” para “as principais” para manter a impessoalidade.

2) A melhor maneira de organizar os períodos num parágrafo é através das conjunções. Nós chamamos isso de “coesão”. 

3) O parágrafo de desenvolvimento é, em si, ume pequena redação. Lembra que eu falei que ele deve ter, pelo menos, três períodos? Isso ocorre porque, dentro do próprio parágrafo, devemos ter também introdução, desenvolvimento e uma “conclusão” que serve para mudar o assunto para o próximo parágrafo.

Analisando unicamente esse parágrafo, nós temos uma introdução, que está sublinhada:

As principais matrizes energéticas são: o petróleo e o carvão mineral. O primeiro é combustível fóssil oriundo da decomposição de seres pré-históricos, muito eficiente. Porém, sua utilização libera gases que contribuem com o efeito estufa. Além disso, por ser de origem fóssil acabará.

Essa introdução se chama “tópico frasal” (agora lembrei mesmo) e serve para indicar o que será desenvolvido, algo que você fez muito bem. Agora, o desenvolvimento do parágrafo:

As principais matrizes energéticas são: o petróleo e o carvão mineral. O primeiro é combustível fóssil oriundo da decomposição de seres pré-históricos, muito eficiente. Porém, sua utilização libera gases que contribuem com o efeito estufa. Além disso, por ser de origem fóssil acabará.

Falta uma conclusão. O parágrafo de desenvolvimento começou bem, mas... falta um sabor no final. Para concluir qualquer coisa, as palavrinhas mágicas são as conjunções conclusivas: portanto, desse modo, assim, etc... Uma sugestão é:

As principais matrizes energéticas são: o petróleo e o carvão mineral. O primeiro é combustível fóssil oriundo da decomposição de seres pré-históricos, muito eficiente. Porém, sua utilização libera gases que contribuem com o efeito estufa. Além disso, por ser de origem fóssil acabará. Portanto, ele precisa ser substituído por uma fonte de energia renovável antes que se esgote.

Pronto. Quando eu digo “portanto”, eu estou concluindo o meu raciocínio, indicando ao leitor: “meu filho, veja: estou terminando de falar de petróleo e estou pronto para partir para o próximo parágrafo”.

Em termos estruturais, o primeiro parágrafo de desenvolvimento está pronto: possui três partes (introdução, desenvolvimento e conclusão) e está mais coeso (não está escrito num período único).

Agora, vamos resolver os probleminhas de linguagem mesmo. As mudanças feitas a partir de agora se adquire pela prática mesmo. Não existem regras ou macetes. Dependem da visão de mundo e do quanto você conhece do assunto. Ou melhor, existe um macete sim: escreva o mais completo possível, sem deixar nenhuma pergunta no ar, demonstrando o máximo de conhecimento que você tem.

O primeiro é combustível fóssil oriundo da decomposição de seres pré-históricos, muito eficiente.

Esse “muito eficiente” deixa esse período incompleto. Fica uma pergunta no ar: “muito eficiente para quê?”. Vamos completar mais esse período, usando mais palavras e dando mais informações:

O primeiro se trata de um combustível fóssil, elemento que se origina da decomposição de seres pré-históricos. Ele é uma das matrizes energéticas mais eficientes do mundo, pois é possível criar muitos produtos através de seu refino, a exemplo dos combustíveis veiculares. 

Continuando:

Porém, sua utilização libera gases que contribuem com o efeito estufa. Além disso, por ser de origem fóssil acabará.

A exemplo do item anterior, vamos complementá-lo, dando mais informações e o desenvolvendo melhor:

Porém, o seu uso libera gases que agravam o efeito estufa e, além disso, ele é considerado um recurso não-renovável, o que significa que a longo prazo ele acabará.

Então, de um modo geral, o seu parágrafo fica assim:

As principais matrizes energéticas são: o petróleo e o carvão mineral. O primeiro se trata de um combustível fóssil, elemento que se origina da decomposição de seres pré-históricos. Ele é uma das matrizes energéticas mais eficientes do mundo, pois é possível criar muitos produtos através de seu refino, a exemplo dos combustíveis veiculares. Porém, o seu uso libera gases que agravam o efeito estufa e, além disso, ele é classificado como um recurso não-renovável, o que significa que a longo prazo ele acabará. Portanto, ele precisa ser substituído por uma fonte de energia renovável antes que se esgote.

Veja que o desenvolvimento é uma pequena redação, dotada de introdução, desenvolvimento e uma pequena conclusão. Pense sempre assim para sempre escrever parágrafos de desenvolvimento completos e coesos.

Vamos para o outro parágrafo:

 O carvão como qualquer outro mineral é finito e sua utilização é extremamente danosa para agravar o efeito estufa, países com a China utilizam o como principal fonte de obtenção energética, seu baixo custo de retirada é o maior atrativo para sua utilização.  

Novamente, nos deparamos com a mesma situação: parágrafo único. Precisamos organizá-lo em introdução desenvolvimento e conclusão. Porém, nesse caso, ocorre um fenômeno: por ser o terceiro parágrafo, é preciso ter um “gancho” para relacionar com o segundo. Afinal, redação é um corpo. Precisamos manter a cabeça, os braços e as pernas unidos. Com os parágrafos ocorre a mesma coisa: precisamos costurá-los e uni-los sem mudar de ideia bruscamente. Logo, vamos usar um gancho para o tópico frasal a fim de relacionar esse parágrafo com o anterior:

Semelhante ao petróleo, o carvão, como qualquer outro mineral, é finito e sua utilização é extremamente danosa para agravar o efeito estufa.

Veja que ao dizer “semelhante ao petróleo” é um gancho para relacionar esse parágrafo com o anterior. Sempre procure usar ganchos, evitando, assim, quebrar a ideia e partir para a outra.

Outra coisa... Veja esse exemplo: “Joãozinho atirou um gato pela janela” (mais uma vez, não me pergunte da onde saiu esse exemplo). Vamos supor que eu queira dar mais uma informação a respeito de Joãozinho, dizendo: “Joãozinho, que é um menino levado, atirou um gato pela janela”. Eu enfiei “um menino levado” no meio de uma oração. É o que a gente chama de “aposto”. Logo, a vírgula é usada para sinalizarmos esse aposto, que fica entre vírgulas. Portanto, devemos usar as vírgulas desse modo: “Semelhante ao petróleo, o carvão, como qualquer outro mineral, é finito e blá-blá-blá”. Veja que “como qualquer outro mineral” é um aposto, é uma informação adicional e, portanto deve aparecer entre vírgulas. O aposto, por ser adicional, não interfere no sentido da oração, tanto que eu posso tirar ele: “Semelhante ao petróleo, o carvão é finito”. É por isso que tem esse festival de vírgulas.

Bem, fizemos a introdução (tópico frasal) do parágrafo. Agora, vamos ao desenvolvimento:

Semelhante ao petróleo, o carvão, como qualquer outro mineral, é finito e sua utilização é extremamente danosa para agravar o efeito estufa. Países com a China o utilizam como principal fonte de obtenção energética e seu baixo custo de retirada é o maior atrativo para sua utilização.  

Veja que eu troquei “utilizam o “ por “o utilizam”, e troquei a vírgula pelo “e”. São apenas detalhezinhos... Porém, o principal aqui é o seguinte: a parte sublinhada corresponde ao desenvolvimento do parágrafo. Falta finalizá-lo. Precisamos concluí-lo, porém, antes vamos falar um pouco da adequação vocabular.
Tudo bem que o carvão é retirado da natureza, mas dizer “baixo custo da retirada” não fica legal. O mais adequado seria dizer “baixo custo de extração”. Eu também mudaria “utilização” por “uso”, mas isso se deve ao meu estilo de escrita mesmo.

Bem, agora falta finalizar o parágrafo. Poderíamos seguir a estratégia do parágrafo anterior, dizer algo do tipo:

Semelhante ao petróleo, o carvão, como qualquer outro mineral, é finito e sua utilização é extremamente danosa para agravar o efeito estufa. Países com a China o utilizam como principal fonte de obtenção energética e seu baixo custo de extração é o maior atrativo para sua utilização. Do mesmo modo do “ouro negro”, o carvão é uma fonte não-renovável e precisa ser substituído por uma base energética sustentável.

Eu usei “ouro negro” para não repetir petróleo. Não é um clichê, não é uma expressão coloquial ou informal. É um caso isolado: é uma expressão que não pode ser levada ao pé da letra (assim como o clichê), mas também não tem a carga coloquial. Por conta disso, usa-se aspas.

Vamos para a conclusão:

Devemos nos adiantar à necessidade de mudança na obtenção de energia antes de precisarmos faze-la por esgotamento das mesmas. Tem-se um horizonte rico de possibilidades nas chamadas energias renováveis -que tem uma fonte duradoura-, como a eólica, solar, bio-combustíveis, hidroelétrica e outras. Essas fontes ao contrário das supracitadas agridem menos o planeta e são, ao longo prazo, uma opção mais sustentável de suprimento da crescente necessidade energética do mundo.

A ideia contida em sua conclusão está bem expressa. Você concluiu dando uma alternativa ao problema do uso de recursos não-renováveis, que é um tipo de conclusão propícia ao tema. Porém, a conclusão geralmente é um parágrafo mais curto e mais direto. Não podemos desenvolver nada: apenas fechar o texto, retomando as ideias e usando alguma outra estratégia, que nesse caso foi citar a solução para o problema (que é usar fontes renováveis). Nesse paragrafo de conclusão você praticamente fez outro parágrafo de desenvolvimento, explicando e argumento a respeito da necessidade do uso de energia renovável.

Logo, temos dois pontos a serem observados na conclusão:
1) Retomar o argumento
2) Dar a solução (estratégia que pode ser usada nessa redação)

Uma sugestão seria:

1) Diante dos problemas ambientais causadas pela atual matriz energética e também de seu futuro esgotamento, 2) pode-se observar que é necessário um maior desenvolvimento e uso das fontes renováveis. Optar pela energia renovável, como a eólica e a solar, é um importante passo para a sustentabilidade do planeta.

Veja que a conclusão deve ser simples e pontual. Não há espaço para argumentar nem para exemplificar nada. Retoma o que foi falado e, nesse caso, por se tratar de um problema, o autor pode indicar a solução para esse problema. 

4 comentários:

  1. Maravilha, estou aprendendo bastante com o BG. O conteúdo é de ótima qualidade. Parabéns pelo excelente trabalho!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, meu jovem.
    Já sou sua fã.
    Claudene

    ResponderExcluir
  3. estou irritadíssima por ter conhecido tão tarde esse BG, pois já perdi tanto tempo com programas inúteis na net. o BG é maravilhoso. eu estudo todos os dias pelo menos 2 horas ao dia por aqui.

    ResponderExcluir