Existe diferença entre BRABO e BRAVO?





As palavras “bravo” e “brabo” são interessantes, já que podem ser e não ser a mesma coisa ao mesmo tempo. Filosófico, não? É tipo “ser ou não ser, eis a questão”. Então... essas duas palavrinhas vivem esse dilema. 

Bem, “bravo” e “brabo” são sinônimos de “raiva”: podemos dizer tanto “Cacildes está brabo agora” ou “Cacildes está bravo agora”, ou seja: “Cacildes está irritado agora”, “Cacildes está com raiva agora”. Ou então, elas podem indicar uma característica própria ao invés de um estado provisório. Ex: “este cachorro é brabo/bravo”. É aí que o negócio se transforma: ao falarmos de características próprias, o “bravo” ganha um aspecto mais positivo enquanto que o “brabo” ganha um aspecto mais negativo.

Falar “este é um guerreiro muito bravo” pode ser diferente de dizer “este é um guerreiro muito brabo”. No primeiro exemplo, podemos associar o guerreiro à “bravura”, ou seja: é um cara valente, corajoso, bravo, algo que fica mais evidente se trocarmos a posição do adjetivo: "este é um bravo guerreiro" (sim, na gramática a ordem dos fatores pode alterar o produto). No outro exemplo, entendemos que o guerreiro é irritado por natureza, mas é raivoso no sentido negativo. 

Para mostrar que o “brabo” está mais para o lado negro da força, eu posso ilustrar isso com outro exemplo: imagine uma ingênua criança chegando em casa com o boletim todo vermelho. Então, a mãe dele olha para o papel e resmunga: “nossa, o negócio tá brabo aqui, hein! Você vai ficar sem Discovery Kids!”. Esse “brabo” significa “o negócio está péssimo, está horrível “(e também pode significar que a criatura vai levar uma chinelada). Enquanto isso, o pai vê na TV um daqueles filmes de ação onde o cara mata dúzias de bandidos usando apenas as mãos. Aí o mestre, que é sempre um chinês, diz: “você é um bravo combatente!”. Nesse caso, o “bravo” tem um sentido positivo. Outro exemplo é quando a plateia assiste a um espetáculo e, ao bater as palmas, grita “Bravo! Bravo! Muito bom!”. 

Portanto, “bravo” e “brabo” são e não são a mesma coisa (agora, ao dizer isso, eu me lembrei de um antigo professor de Filosofia que falava sobre “a coisa em si”. Até hoje estou procurando “ a coisa em si” e não encontro). Num determinado contexto, ambas as palavras significam “raiva” e, em outro contexto, o “bravo” ganha uma conotação positiva e o “brabo” ganha uma conotação negativa, indo para o lado negro da força. Naturalmente, essa distinção fica mais evidente ao pensarmos em “bravura” e em “brabeza”.



Um comentário: