Regência do verbo "responder"




Esse é mais um daqueles momentos que a gente dá um pequeno tapinha na testa e diz: "Nossa, eu fiquei a vida inteiro falando errado!". 

Que atire a primeira pedra quem nunca disse algo do tipo "eu já respondi os exercícios". Bem, o verbo "responder", nessa situação, é transitivo indireto, ou seja: devemos dizer "eu já respondi aos exercícios". 

Porém, esse verbo sacana pode ser transitivo indireto e intransitivo também. Vamos ver cada caso... 

1) "Calma, pois você terá tempo de sobra para responder ao restante da prova... faltam 2 minutos" 

Devemos usar a preposição "a" ao darmos a resposta a algo ou a alguma coisa. Isso significa que vamos usar o "ao" (a+o) ou o "à" (a+a), como em "João respondeu à pergunta rapidamente", ou então em "Valéria respondeu às questões". Lembre-se: a crase é a versão feminina do "ao", é o encontro de um artigo "a" com uma preposição "a" exigida pelo verbo. 

O modelo é: "eu respondo a alguma coisa", "eu respondo a alguém".  

2) "Eu respondi a letra F. Espere... tinha letra F?"

O verbo é transitivo direto (não exige a preposição "a") quando o seu complemento for a própria resposta. Outro exemplo: "Geraldo respondeu que não vai parar de arremessar pinguins pela janela". 

E, aproveitando o gancho, nós podemos ter as duas situações (transitivo direto e indireto) numa única sentença: basta misturar os modelos. Exemplo:

"Geraldo respondeu aos moradores do prédio que não vai parar de fazer a dança da chuva lá no telhado". 

"Geraldo respondeu ao questionário que não gosta de cães que voam". 

3) O verbo pode ser intransitivo também, ou seja: não precisa de complemento para dar sentido à sentença. Exemplo:

"Apertei a campainha, mas ninguém respondeu". 

4) O verbo exige a preposição "por" quando ele tiver o mesmo sentido de "se responsabilizar". Exemplo:

"Ao invés de azul, Geraldo pintou de rosa a parede da casa do cliente e disse que não vai responder pelo erro". 


2 comentários: