Adjunto Adnominal ou Predicativo do Objeto?




Qual é a diferença entre o adjunto adnominal e predicativo do objeto?

Você está sofrendo e tendo pesadelos com essa pergunta? Então calma, respire fundo e leia, com atenção, a explicação abaixo. Não se distraia com nada (jogue seu celular pela janela).

Estou esperando você jogar o celular pela janela.

Ainda estou esperando.

Tudo bem, apenas o desligue.


O Adjunto Adnominal



Bem, inicialmente vamos nos lembrar o que é adjunto adnominal. Veja o exemplo abaixo:

Eu brinquei com um cachorro

Os adjuntos adnominais são expressões que caracterizam ou determinam os substantivos, dando, assim, mais detalhes e características a eles. Se eu quiser caracterizar, por exemplo, o substantivo "cachorro", eu posso acrescentar adjuntos adnominais ao redor dele. Veja alguns exemplos:

Eu brinquei com um cachorro legal

Eu brinquei com um cachorro de rua

Eu brinquei com um pequeno, roliço e sorridente cachorro de orelhas pequenas. 





"Legal", "de rua", "pequeno", "roliço", "sorridente", "branco", e "de orelhas pequenas" são adjuntos adnominais que caracterizam o substantivo "cachorro". Veja que todos esses termos ficam "pendurados" ao redor de "cachorro" e veja também que os adjuntos adnominais são termos acessórios (secundários). Se eu remover todos esses adjuntos adnominais, a oração continuará tendo sentido:

Eu brinquei com um cachorro

Aliás, o próprio "um" (artigo indefinido) é adjunto adnominal de "cachorro". Se eu remover esse adjunto, a oração continua tendo coerência, continua tendo sentido: "eu brinquei com cachorro". 

Resumindo: os adjuntos adnominais são termos acessórios (secundários) que ficam ao redor de um substantivo. 

Então, veja que "legal", na oração abaixo, é um adjunto adnominal:

Eu brinquei com um cachorro legal

Nessa oração, "legal" é um adjunto adnominal de "cachorro", ou seja: é um termo acessório que pode ser removido sem causar problemas de coerência à oração ("eu brinquei com um cachorro"). Tudo ok?

Agora, veja o próximo exemplo:


O Predicativo do Objeto



Eu considero o cachorro legal

O termo "legal" está caracterizando o substantivo "cachorro", só que dessa vez não se trata de adjunto adnominal. Afinal, como já vimos, os adjuntos adnominais são termos acessórios (secundários) que podem ser removidos da oração sem problemas. Se nós removermos "legal" da oração, nós ficamos com:

Eu considero o cachorro (?)

Veja que a oração ficou incompleta, sem sentido e, por causa disso, uma pergunta surge no ar: "você considera o cachorro o quê"? Eu preciso explicar que eu considero o cachorro "legal". Portanto, não se trata de adjunto adnominal (termo acessório), mas sim de predicativo do objeto. O predicativo do objeto ("legal") está ligado ao objeto da oração ("cachorro"), dando uma característica a esse objeto ("o cachorro é legal"). 

Ou seja: se você remover o predicativo do objeto a oração ficará sem sentido. Isso não acontece com os adjuntos adnominais (que são termos acessórios). 


Análise Sintática:

"Eu" - sujeito da oração 
"considero" - verbo 
"o cachorro" - objeto direto 
"legal" - predicativo do objeto (predicativo de "o cachorro")


Será que você entendeu? 


Para verificar se você realmente entendeu o que eu disse, faça o seguinte: localize os adjuntos adnominais e o predicativo do objeto na oração abaixo. A resposta está logo depois. 

O meu colega de escola achou a prova de matemática complicada. 


Calma, jovem! Tente fazer primeiro!

...

...

...

Bem, fazendo o "paranauê" da análise sintática, ficamos com:

"O meu colega de escola" - sujeito 
"achou" - verbo
"a prova de matemática" - objeto 
"complicada" - predicativo do objeto

Então:

Dentro do sujeito: "o", "meu", "de" e "escola" são adjuntos adnominais do substantivo "colega".

Dentro do objeto: "a", "de" e "matemática" são adjuntos adnominais do substantivo "prova".

Observações: perceba que, se eu remover todos os adjuntos da oração, ela continuará tendo sentido, continuará transmitindo uma mensagem coerente (mas a oração ficará parecida com manchete de jornal):

Colega achou prova complicada. 


- DICA -


Todo mundo gosta de dicas e, para a nossa alegria, existe uma grande dica para não confundir o adjunto com o predicativo. 

Você deve ter reparado que os adjuntos adnominais ficam dentro de outras funções sintáticas, como o sujeito e o objeto. Isso acontece porque o adjunto praticamente "se gruda" ao substantivo, formando uma única função sintática. Então, isso significa que um substantivo e seus adjuntos adnominais podem ser trocados por um único pronome. Veja:

O homem esquisito e atrapalhado quebrou a cadeira. 

Podemos trocar o substantivo "homem" e todos os seus adjuntos por um único pronome:

Ele quebrou a cadeira



Agora, veja este exemplo:

Achei aquele homem esquisito


Vamos trocar "homem" e seus adjuntos por um único pronome. 

Achei-o esquisito

Veja que "esquisito" ficou de fora (só conseguimos substituir "aquele homem"). Isso quer dizer que "esquisito" não é adjunto adnominal ("esquisito" é predicativo do objeto). E isso quer dizer também que "aquele" é adjunto adnominal de "homem", já que conseguimos substituir "aquele homem" pelo pronome "o". 

Observação: não podemos usar pronomes pessoais do caso reto (eu, tu, ele, nós, vós, eles) como objetos. Por conta disso, é errado escrever "achei ele esquisito" (o correto é "achei-o esquisito"). 




4 comentários:

  1. Eu não sabia que não podia usar pronome pessoal com objeto...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somente os pronomes pessoais do caso reto não funcionam como objetos (eu esqueci de citar "caso reto", então eu irei atualizar a postagem).

      Os pronomes pessoais do caso reto (eu, tu, ele, nós, vós, eles) têm a função de sujeito (não funcionam como objetos), mas os pronomes pessoais oblíquos funcionam como objeto, sendo que "o", "a", "os" e "as" têm a função de objeto direto, "lhe" e "lhes" funcionam como objetos indiretos e "me", "te", "se", "lhe", "nos", "vos" podem ter a função de objeto direto ou indireto.

      Por exemplo: não é correto dizer "eu vi ele", pois "ele" é um pronome do caso reto e não pode funcionar como objeto. O certo é dizer "eu o vi".

      Excluir