BEM-VINDO!

O Blog do Gramaticando é a sua gramática online. Encontre, na barra lateral esquerda, o assunto que você deseja estudar (gramática, literatura ou redação). Se estiver perdido, clique na aba "como estudar português". Bons estudos!

.

.

Pronomes

Vamos falar, agora, dos pronomes. Mais simples do que entender a definição é entender quem eles são. Portanto, vamos logo para a classificação.

Pronomes Possessivos

Quem são?

Resposta: meu, meus, minha, minhas, teu, teus, tua, tuas, seu, seus, sua, suas, nosso, nossos, nossa, nossas, vosso, vossos, vossa, vossas, dele, deles, dela, delas.

Portanto, os pronomes possessivos, como o nome diz, são essas palavrinhas que a gente usa para indicar posse.

A Kombi é minha! Não é tua, nem dele, nem dela, nem do Geraldo!



Pronomes Demonstrativos

Quem são?

Resposta: este, estes, esse, esses, esta, estas, essa, essas, isto, isso, aquele, aqueles, aquela, aquelas, aquilo.


Os pronomes demonstrativos "apontam" para alguma direção, ou seja: se referem a uma pessoa do discurso ou a algo. Se está longe, usamos "aquele", por exemplo. Se estiver perto de quem fala, a gente usa o "este".

Aquele cara é meu professor de matemática. 
O nome dele é Piruegas de Bederagas da Silva. 



Em azul, temos o pronome demonstrativo (aquele) e em verde temos pronomes possessivos ("meu" e "dele").

Se você tem dúvidas sobre a diferença entre "esse" e "este", dê um clique aqui.


Pronomes Relativos

Quem são?

Resposta: o qual, a qual, os quais, as quais, cujo, cuja, cujos, cujas, quanto, quanta, quantos, quantas, que, quem.

Esse pronomes servem para substituir algo que foi dito antes na oração, retomando-os.

Observe o exemplo:

Eu conheço o cachorro
O cachorro foi engolido pelo banco do carro. 


Veja que eu repito "cachorro" sem necessidade e isso é chato. Graças aos pronomes, nós podemos evitar a repetição desnecessária de palavras. Veja:


Eu conheço o cachorro que foi engolido pelo banco do carro. 



O "que" é o pronome relativo mais usado. Portanto, ele é chamado de "pronome relativo universal". Vejamos outros exemplos:

O cantor que acabou de se apresentar é péssimo ("O cantor se apresentou" + "o cantor é péssimo")


Pronomes Pessoais 

São aqueles que fazem referência às pessoas do discurso (eu, tu, ele ou ela, nós (plural do "eu"), vós (plural do "tu"), eles ou elas)

Podem ser de dois tipos: caso reto e caso oblíquo.

Pronomes pessoais do caso reto: na sintaxe, cumprem o papel de sujeito da oração. São eles: eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas. Simples, não? Eles são os responsáveis pela ação verbal (sujeito da oração).

Eu queria um Grill, mas ela queria um ferro novo. 


Pronomes pessoais do caso oblíquo: na sintaxe, servem de complemento. São eles: me, te, se, lhe, lhes, nos, vos, se, si, o, a, os, as.

Desculpe-me. Não queria te prejudicar. Vou lhe dizer o que fazer. 


Pronomes de Tratamento

São aqueles usados para se referir, de um modo respeitoso, a alguém.

Exemplos: Vossa Majestade (reis e imperadores), Vossa Senhoria (funcionários graduados), Vossa Excelência (altas autoridades), Vossa Santidade (papa), Vossa Alteza (príncipes e duques).

Oh,Vossa Majestade! Referenciada em todo o império!
Com todo o respeito, digo-te: vais te catar!

Vossa X Sua 

Se usa "vossa" para se falar diretamente com a autoridade e "sua" quando se fala sobre a autoridade para outra pessoa.

Vossa Majestade: vais te catar! Estou de saco cheio! (estou falando diretamente com imperador).

Eu disse a Sua Majestade para que se catasse (estou falando com outra pessoa sobre o imperador)

Você 

O termo "você" também é pronome de tratamento, enquanto o "tu" é pronome pessoal (do caso reto).


Pronomes Interrogativos 

Quem são?

Resposta: que, quem, qual, quais, quanto, quantos, quanta, quantas.

São usados para formular perguntas. Lembre que nem toda pergunta precisa de ponto de interrogação: as perguntas indiretas não usam ponto de interrogação.

Diga qual cachorro você quer adotar (pergunta indireta)
Qual cachorro você quer adotar? (pergunta direta) 


Pronomes Indefinidos 

São aqueles que se referem a um termo sem indicar, exatamente, a quantidade, sendo vago e indeterminado.


Alguém, em algum lugar, comprou alguma coisa para ninguém
outra coisa para todos e não fez nada depois. 

São eles:

Variáveis: Algum, alguma, alguns, algumas, nenhum, nenhuma, nenhuns, nenhumas, todo, toda, todos, todas, outro, outra, outros, outras, muito, muita, muitos, muitas, pouco, pouca, poucos, poucas, certo, certa, certos, certas, vário, vária, vários, várias, quanto, quanta, quantos, quantas , tanto, tanta, tantos, tantas, qualquer, quaisquer, qual, quais, um, uma, uns, umas.

Invariáveis: algo, tudo, nada  (referem-se a coisas), quem, alguém, ninguém, outrem (referem-se a pessoas), cada, que (referem-se a coisas e a pessoas)



7 comentários:

  1. eu adorei tudo aqui.

    ResponderExcluir
  2. gostei muito,revisei alguns conceitos de maneira muito radical,rs.

    ResponderExcluir
  3. aprender desse jeito é muito bom!parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Muita Bom, sempre fui bom em matemática e péssimo em gramatica, mas agora com esse jeito de aprender eu aprendo kkkk \0/

    ResponderExcluir
  5. Fera de mais.Parabéns,muito bom seus exemplos kkkkkkkkkkk ;D

    ResponderExcluir
  6. eu não entendi muito bem porque "um" e "uma" são pronomes indefinidos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observe este exemplo:

      "Eu usei a minha caneta".
      "Eu usei uma caneta qualquer".

      Observou a diferença? No primeiro exemplo, ao dizer "a minha caneta", eu estou determinando a caneta (não é qualquer caneta... é a minha caneta). No segundo exemplo, ao usarmos o "uma", estamos dizendo que a caneta pode ser qualquer. O "um" e "uma" tem esse sentido: eles indeterminam alguma coisa. Já o "o" e o "a" determinam algo.

      Exemplo:

      Conversei com o meu amigo (não é qualquer amigo: é "o" amigo").
      Conversei com um amigo (conversei com um amigo qualquer).

      Veja o que acontece se a gente tentar usar o "um" com um sentido determinado e o "o" com o sentido indeterminado:

      Conversei com um meu amigo.
      Conversei com o amigo qualquer.

      Não ficou estranho? Ou seja: usamos o "um" e "uma" para algo indeterminado, qualquer. O sentido correto é:

      Conversei com o meu melhor amigo
      Conversei com um amigo qualquer.

      Excluir

Obrigado por comentar no Blog do Gramaticando!