Partícula Apassivadora ou Índice de Indeterminação do Sujeito?




Olá! Neste post, eu vou falar sobre a diferença entre a partícula apassivadora e o índice de indeterminação do sujeito. Porém, para entender esse assunto, é importante que você tenha lido o conteúdo sobre Vozes Verbais (clique aqui para ler). Caso contrário, você correrá o risco de não entender nada do que eu vou explicar aqui.

Partícula Apassivadora ou Índice de Indeterminação do Sujeito?


Uma coisa muito importante (muito mesmo) que você precisa saber é que só existe voz passiva se o verbo for transitivo direto

Vou repetir:

"Só existe voz passiva se o verbo for transitivo direto"

Se o verbo não for transitivo direto (ou seja: se ele for transitivo indireto, intransitivo ou de ligação), a oração não terá voz passiva (nem analítica, nem sintética). Esse é o segredo para saber quando o "-se" é uma partícula apassivadora ou um índice de indeterminação do sujeito. Vou explicar melhor agora. Veja estes dois exemplos:


1) Aluga-se esta casa. 
2) Precisa-se de ajuda.

Na primeira oração ("aluga-se esta casa"), o verbo "alugar" é transitivo direto (não exige preposição). Portanto, "aluga-se esta casa" está na voz passiva sintética e o "-se" é uma partícula apassivadora. A sua voz passiva analítica é "esta casa é alugada". 

Na segunda oração ("precisa-se de ajuda"), nós usamos o verbo "precisar", que é transitivo indireto (exige a preposição "de"). Então, "precisa-se de ajuda" não é voz passiva nem sintética, nem analítica (é errado dizer "ajuda é precisada"). Na realidade o "-se" é um índice de indeterminação do sujeito (é um caso de sujeito indeterminado).

Resumo da Ópera

Partícula Apassivadora: passa o verbo transitivo direto para a voz passiva sintética

Índice de Indeterminação do Sujeito: indica que o sujeito da oração é indeterminado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário