20/10/2019

Notícias (20/10/2019)

Olá pessoas de todo o Brasil, de todo o mundo e de toda a galáxia. Tudo bom com vocês?

No segundo semestre deste ano, decidi retomar as atividades do blog, que estava desatualizado desde... 2017 (caso eu não esteja enganado). 

Não, não foi preguiça.

O motivo desse hiato nas publicações foi a falta de tempo, pois preciso conciliar emprego, estágio, pesquisa acadêmica e, claro, trocentas e uma matérias da faculdade (em Letras, a gente precisa ler muuuuuuita coisa, além de dar conta das disciplinas pedagógicas da Licenciatura). Eventualmente eu durmo ou me alimento.

É uma delícia.

Bem, a prioridade, meus caros e caras, é atualizar os nossos roteiros de estudo, utilizando uma nova metodologia para melhorar a leitura e a navegação nos posts (ui, que chique).  Lembro que cada roteiro é um guia que vai orientar você a estudar um determinado assunto; é como se eu pudesse sentar aí, no seu ladinho, para estudar o conteúdo junto com você, etapa por etapa. 

O conteúdo sobre Fonologia foi atualizado recentemente e, neste momento, estou atualizando o conteúdo sobre Classes Gramaticais (disponível aqui). 

Fiquem tranquilos, pois até 2099 eu termino.

Abraços!!!

18/07/2019

Fonologia (Aula 4): Revisão

Vamos, agora, revisar tudo o que aprendemos nas aulas de Fonologia. Segue, abaixo, um resumo de tudo o que a gente estudou. 

 AULA 1  (acessar aula)

Fonema: diz respeito aos sons da língua.
Letra: representação gráfica do som.

Exemplo: na palavra CASA, a letra "C" tem som de "K", enquanto que a letra "S" tem som de "Z". Esse som é chamado de fonema. Portanto, CASA tem quatro letras ("C", "A", "S", "A") e quatro fonemas (/K/, /A/, /Z/, /A/). Veja que os fonemas são representados entre barras.

De modo geral, cada letra tem um som característico, ou seja: cada letra tem um fonema. Porém, tome cuidado: nem sempre será assim! Veja:

1) Letra sem fonema
Pode existir letra sem fonema (sem som), como o caso do "h".
Exemplo: a palavra HOJE tem quatro letras ("H", "O", "J", "E") e três fonemas (/O/, /J/, /E/).

2) Duas letras e um fonema (dígrafo)
É possível que duas letras tenham um único som. Esse é o caso do dígrafo.
Exemplo: a palavra CHAVE tem cinco letras, mas tem quatro fonemas, pois "CH" é um dígrafo (são duas letras que têm o som de uma só: "XAVE")

Observação: vogais seguidas de "M" e "N" podem ser nasalizadas. Nesse caso, temos dígrafo vocálico: em vez de pronunciar "AM", a gente fala "Ã" (duas letras, um som). 
Isso ocorre nos seguintes pares: AM, AN, EM, EN, IM, IN, OM, ON, UM e UN
Exemplo: a palavra TAMPA  tem cinco letras, mas tem quatro fonemas, pois "AM" é pronunciado como "Ã" (TÃPA). O "M" nasaliza a vogal "A". 

3) Uma letra e dois fonemas (dífono)
É possível que uma letra tenha dois sons. Esse é o caso do dífono.
Exemplo: a palavra TÁXI tem quatro letras, mas tem cinco fonemas, pois a letra "X" tem som de "KS" (TÁKSI).

 AULA 2  (acessar aula)

Na língua portuguesa, as palavras podem ser separadas em sílabas e cada sílaba sempre terá uma única vogal. Portanto, toda sílaba tem, obrigatoriamente, uma única vogal

Se você separar as sílabas e encontrar mais de uma vogal dentro de uma mesma sílaba, então somente uma delas (a de som mais forte) será classificada como vogal. A outra (a de som mais fraco) será classificada como semivogal. 

Portanto, a semivogal é uma "vogal mais fraca" que aparece ao lado de uma vogal. Nunca encontraremos duas ou mais vogais na mesma sílaba. Se aparecer mais de uma vogal na mesma sílaba, a mais fraca será classificada como semivogal (somente a mais forte será considerada vogal).

Exemplo: na palavra HERÓI, temos a vogal "E" na primeira sílaba ("HE"). Já na segunda sílaba, aparecem duas vogais: "O" e "I". Porém, cada sílaba só pode ter uma única vogal. Sendo assim, "O" é a vogal (pois tem o som mais forte) e "I" é a semivogal (pois tem o som mais fraco). 

 AULA 3  (acessar aula)

O encontro consonantal ocorre quando encontramos, nas palavras, sequências de duas ou três consoantes (uma ao lado da outra), podendo ser da mesma sílaba ou então de sílabas diferentes. 
Exemplos: floresta, psiquiatra, Brasil, perspectiva.

Já os encontros vocálicos podem ser classificados em três tipos: ditongos, tritongos e hiatos

Ditongo: encontro de uma vogal com uma semivogal 

Os ditongos podem ser crescentes (SV + V) ou decrescentes (V + SV). 
Ex: espécie (ditongo crescente), rei (ditongo decrescente)

Os ditongos podem ser orais (o som só sai pela boca) ou nasais (o som sai pela boca e pelo nariz).
Ex: pai (ditongo oral), pão (ditongo nasal)


Tritongo: encontro de uma vogal com duas semivogais na mesma sílaba 
Ex: Uruguai, Paraguai, iguais.

Hiato: encontro de duas vogais de sílabas diferentes 
Ex: sde, ideal, coordenação.

                    ROTEIRO "FONOLOGIA"                     

Aula anterior:
AULA 3


© Blog do Gramaticando - 2019. Todos os direitos reservados.
Autor: Vinícius Souza.
Tecnologia do Blogger.